undefined

Elaborar uma lista das tarefas por fazer pode ajudar a estabelecer as suas prioridades, evitar esquecimentos e a facilitar a gestão do tempo. Mas, este tipo de listagem pode ser complementado, ou até totalmente substituído, pelo que podemos chamar de lista das tarefas que foram feitas.

O que é planeado para o dia, a maioria das vezes, acaba por não acontecer e a lista transforma-se numa amálgama de tarefas incompletas que se vão acumulando. Resultado? Acaba por se tornar numa fonte de ansiedade e até eventualmente diminuir o nível de produtividade do indivíduo.

A origem do problema pode ser a forma como a própria lista é feita, pois a tendência é para escrever tudo o que a pessoa se lembra no momento, numa sucessão interminável de ações. E, quanto mais itens tem a listagem, menor será a hipótese de os terminar todos.

Por isso, sugere-se que pense ao contrário, ou seja, faça uma lista do que conseguiu fazer durante o dia de trabalho e analise suas pequenas, mas importantes, concretizações. O seu grau de satisfação por ter efetuado algo resulta num aumento de energia e gera muita motivação para continuar a trabalhar.