No país ou no estrangeiro existem entidades que solicitam traduções autenticadas dos documentos. A primeira questão a esclarecer é que uma tradução autenticada é sinónimo de uma tradução certificada.
Outra das perguntas mais frequentes é se significa que os tradutores são juramentados: não, porque em Portugal são as traduções e não os tradutores que são alvo de autenticação ou certificação. Mas, trata-se de uma dúvida recorrente e aceitável, uma vez que há muitos países em que a realidade é diferente.
E, se em Portugal uma tradução autenticada está escrita em português, de modo a assegurar a leitura e compreensão dos documentos em questão recorre-se muitas vezes à colocação da Apostilha de Haia, também designada como Apostila. Esta segunda autenticação é efetuada apenas na Procuradoria-Geral da República e pode ser requerida pelo próprio individuo ou pelas empresas de tradução, como a M21 Global, onde é um serviço bastante solicitado. Atenção que nem todos os países aceitam a Apostilha de Haia,  por isso convém consultar a lista em//www.hcch.net/index_fr.php?act=conventions.authorities&cid=41
Quando faz um pedido de tradução autenticada, tenha em consideração que vai ter que entregar o documento original (ou a sua respetiva fotocópia autenticada) já que sem este não é aceite junto do notário ou advogado. O ato de autenticação exige também que o tradutor esteja presente e que, por sua honra profissional, ateste que se trata de uma tradução conforme o original.
Na imagem é possível visualizar a azul escuro os atuais membros da Convenção de Haia. Se tiver alguma questão adicional sobre este assunto envie-nos um e-mail e teremos todo o gosto em ajudar a esclarecê-la.